PLANETA MARTE – A SAÍDA PARA OS TERRÁQUEOS

A foto mostra água escorrendo do solo do Planeta Marte. Só isso já nos faz mudar nossa opinião a respeito do planeta vermelho. Afinal de contas fomos acostumados pelos roteiristas de cinema a ter uma ideia distorcida do planeja.
As informações filtradas pelas autoridades americanas mostram que isso tende a mudar. Diversos artefatos estelares estão posicionados a fim de que aprenda tudo a respeito do planeta. No seu aniversário de 50 anos, a Mariner4 americana nos leva a acreditar em tudo. Entre fantasias e fatos, muita coisa nos faz parar para pensar.
Vamos começar pelo seu nome. Foi batizado em homenagem ao deus romano da guerra, derivado do grego Ares. Provavelmente devido a sua cor vermelha, que lembra sangue. De outro lado, sabe-se que a aparência se deve a grande quantidade de óxido de ferro, ou ferrugem, na poeira e rochas que recobrem sua superfície.
Os estudos a respeito de Marte remontam ao ano de 1609. Galileu foi o primeiro a observar Marte com um telescópio. Contudo, sometem 1877 que o italiano Giovanni Schiaparelli viu linhas em sua superfície que pareciam ser “canais”, dando início às especulações de que o planeta abrigaria uma civilização extraterrestre. Só que posteriormente, observou-se que estes “canais”, não passaram de uma ilusão de óptica.
No imaginário dos cientistas persiste a possibilidade de que Marte abrique ou tenha abrigado vida resultou em alvo de mais de 40 missões desde os anos 1960. Os resultados mostraram que há bilhões de anos, o planeta, provavelmente, teve uma atmosfera mais densa e água em estado líquido em sua superfície. O que levaria a ter condições para o desenvolvimento da vida como conhecemos.
Não é a toa que os terráqueos assistem mensalmente a produções holliwoodianas a respeito do fim da vida na Terra. Ou mesmo de viagens procurando outros planetas semelhantes a Terra para podermos nos deslocar em casos de necessidade. Tanto que várias missões não tripuladas já foram feitas.
Agora, a Humanidade se prepara para enviar as primeiras pessoas a Marte nas próximas décadas. No roteiro, instalar programas de colonização da Mars One, com sua viagem só de ida prevista para os anos 2020. Para logo depois, ai sim, como pretende a Nasa, levar astronautas a Marte nos anos 2030. Coisa, pelo menos para nós, cinquentões, será para nossos netos e bisnetos.

0 0 286 22 dezembro, 2014 Mobilidade, Slide dezembro 22, 2014

Sobre o autor

Dr. Stélio Leal Pessanha é médico com formação em Neurologia e Neurocirurgia e atua em consultório desde que se formou. É chefe de neurologia e neurocirurgia das cidades de Caieiras e Francisco Morato, pós-graduado em Neurologia, eletroencefalografia, eletroneuromiografia, Oto–neurologia, potencial evocado auditivo, visual e somatosensitivo. Desenvolveu e desenvolve atividades em: - clínica médica: Saúde Pública, Administração Hospitalar, Patologia Clínica, Medicina do Trabalho, Medicina do Tráfego, Didática do Ensino Superior - em comunicação: USP (Português, Inglês), Uninove (Jornalismo-Publicidade). Roteirista de rádio, teatro e TV É escritor: - “O Mestre Aprendiz de Medicina”, livro já editado que mostra a trajetória de um médico no dia a dia com pacientes no consultório, prontos-socorros e centros cirúrgicos (acesse https://www.youtube.com/watch?v=Gc0F4Z6DtUs para mais informações) - “O destino Cuspiu para o Alto”, em fase de execução, livro a respeito de membros de algumas famílias que tinham tudo para dar certo, mas trilharam o caminho do mal. Como cidadão, a rebeldia de um então jovem médico recém-formado o levou a fundar um jornal (Gazeta Regional de Caieiras e região), uma rádio (Onda FM 87.5), webTV (TV Nova Onda e está a caminho de abrir sua TV retransmissora, todos sob a égide da Associação de Mídia Comunitária, a AMIC). Todas as mídias objetivam defesa da democracia, do meio ambiente e dos direitos do que mais precisam.

Ver todos os artigos de Stelio Leal Pessanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>