CONSTRUÇÃO DE UM NOVO HOSPITAL – HISTÓRIA ANTIGA

O prefeito Roberto Hamamoto e seu vice, Gerson Homero anunciaram um contrato com a Caixa Econômica há alguns dias. O estardalhaço na rede social se deu em torno do objetivo desse instrumento jurídico para conseguir verbas para o fim desejado: a construção de um hospital de pequeno porte.
Por diversos motivos não segui o caminho fácil de alguns colegas médicos. A de elogiar os dois mandatários do município. Um deles, chamou á atenção, o médico Demerval, da Orion e pré-candidato a vereador pelo PDT. Chegou a dar parabéns e afirmar que poderia contar com ele para dar tudo que precisar. Mas qual médico não estaria disponível para ajudar a saúde do município? As questões aqui são outras.
A começar pelo fator MEMÓRIA. Estranhamente, a sua excelência esqueceu que foi obrigado a mandar todos os médicos, especialistas ou não, embora por não estarem concursados. Mas também, por falta de dinheiro para pagá-los, segundo algumas fontes. E que com isso, desmontou todo o sistema de saúde do município. A ponto da cidade não ter pediatras e nem pessoal para dar simples vacinas nas crianças. Ou seja, o nome da cidade foi para o ralo nas instituições paulistas.
Logo ele, um médico eleito para resolver os problemas de saúde do município aprofundou mais ainda os problemas dos usuários de saúde. E no último ano de seu governo, quer resolver tudo com a construção de um novo hospital. Acredita que uma obra para inglês ver, vai tapar o buraco onde se enxerga: falta de médicos, paramédicos e, sobretudo, especialistas? A ponto dos poucos clínicos serem obrigados a fazer receitas dos pacientes com epilepsias, problemas mentais etc.?
E quanto ao dinheiro para manter o hospital de pequeno porte, doutor Roberto? Pelo que parece um hospital precisa de uma centena de profissionais para fazer funcioná-lo. Sem falar de equipamentos e insumos. Será que o Dr. Roberto ficou louco? Não. A hipótese mais provável é que ligou o f…. para o município em prol de seu vice, Gerson Homero. Uma obra como um hospital sensibilizaria os eleitores, não é verdade?
Estão enganados, Dr. Roberto Hamamoto e o senhor também, Senhor Gerson Romero. A população não é burra como os senhores acham. Todos nós, precisamos de hospitais, mas antes disso precisamos do básico que os dois deixaram de lado: pediatras, clínicos gerais, obstetras etc.
Além do mais, os dois deveriam no mínimo chamar os prováveis candidatos ao cargo majoritário das eleições 2016 para conversar. Provavelmente, não aceitariam o projeto porque sabem que pepino vão ter pela frente. E na melhor das respostas, ouviriam que existem projetos mais exequíveis do que um hospital neste momento. Como reorganizar o sistema de saúde, recontratando os médicos dispensados (principalmente pediatras e clínicos). Olhar com mais carinho as ambulâncias (não tem equipos para soros e nem cateter nasal, VERGONHA, prefeito).
E se quer gastar dinheiro, excelência, a população não tem um Centro Ortopédico. Quem sofre algum tipo de fratura tem de ir para outra cidade. Remontar o Centro de Especialidades que está às moscas. Só não vou continuar, porque os leitores estão cansados de saber o que precisam e clamarem por determinações que nunca chegam.
Enfim, o desânimo é tão grande quanto as iniciativas dos dois, que o melhor mesmo é rezar para que a burocracia seja grande até as eleições de outubro cheguem. Quem sabe assim, a população possa demonstrar a sua vontade ou não de mudar essa situação.

0 0 234 07 fevereiro, 2016 Crônicas, Saúde fevereiro 7, 2016

Sobre o autor

Dr. Stélio Leal Pessanha é médico com formação em Neurologia e Neurocirurgia e atua em consultório desde que se formou. É chefe de neurologia e neurocirurgia das cidades de Caieiras e Francisco Morato, pós-graduado em Neurologia, eletroencefalografia, eletroneuromiografia, Oto–neurologia, potencial evocado auditivo, visual e somatosensitivo. Desenvolveu e desenvolve atividades em: - clínica médica: Saúde Pública, Administração Hospitalar, Patologia Clínica, Medicina do Trabalho, Medicina do Tráfego, Didática do Ensino Superior - em comunicação: USP (Português, Inglês), Uninove (Jornalismo-Publicidade). Roteirista de rádio, teatro e TV É escritor: - “O Mestre Aprendiz de Medicina”, livro já editado que mostra a trajetória de um médico no dia a dia com pacientes no consultório, prontos-socorros e centros cirúrgicos (acesse https://www.youtube.com/watch?v=Gc0F4Z6DtUs para mais informações) - “O destino Cuspiu para o Alto”, em fase de execução, livro a respeito de membros de algumas famílias que tinham tudo para dar certo, mas trilharam o caminho do mal. Como cidadão, a rebeldia de um então jovem médico recém-formado o levou a fundar um jornal (Gazeta Regional de Caieiras e região), uma rádio (Onda FM 87.5), webTV (TV Nova Onda e está a caminho de abrir sua TV retransmissora, todos sob a égide da Associação de Mídia Comunitária, a AMIC). Todas as mídias objetivam defesa da democracia, do meio ambiente e dos direitos do que mais precisam.

Ver todos os artigos de Stelio Leal Pessanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>