VAMOS FICAR DE PÉS DESCALÇOS

Vamos todos tirar os sapatos. Se fosse possível, os leitores lendo o começo dessa reportagem, o fariam imediato. Sabemos que vivemos a maior parte do tempo dentro de alguma sala fechada em suas profissões. Para seguir o roteiro de trabalho, colocamos sapatos de manhã. Só vamos retirá-los à noite.
Poucas pessoas sabem que andar descalços fortaleçam toda a biomecânica do pé para poder aguentar todo o nosso corpo. Em contrapartida, não sabem que os calçados restringem a mobilidade dos músculos localizados nas plantas dos pés. O que acabam obrigando-os a permanecerem longos períodos numa mesma posição.
Pior ainda, a maioria desconhece que existe problemas em usar determinados tipos de sapatos. Assim, dependendo do formato do bico do calçado e do tamanho do salto, podem prejudicar as articulações dos dedos e favorecer o encurtamento dos músculos da panturrilha.
Vamos entrar no mundo da Medicina, das particularidades em termos de Anatomia e Fisiologia para entender melhor. Para que entendam o funcionamento dos pés, é preciso que saibam: na planta dos pés, estão situados uma série de receptores sensoriais, que contribuem com a maneira como descarregamos o peso do corpo. Como também dos ajustes ao entrar em contato com terrenos irregulares e com a maneira com que nós andamos.
Não bastasse isso, existem músculos situados nesta região, e que são muito importantes para a marcha e para a corrida, para evitar quedas, e uma série de outras atividades que dependam do equilíbrio. Lamentável, mesmo assim, existem mães que preferem não arriscar a vida de seus filhos, quando estão ameaçando até o equilíbrio das crianças colocando sapatos logo ao nascerem.
Assim, comecem a andar descalços. Os benefícios obtidos serão maiores do que apenas “relaxar” os pés após um dia cansativo de trabalho. Este hábito vai contribuir para estimular estes receptores e trabalhar essa musculatura intrínseca dos pés.
Finalmente, algum leitor refratário por ser executivo pode chegar em casa à noite e fazer o seguinte:
Massagear a planta dos pés também auxilia para reduzir a hipersensibilidade produzida pela falta de estímulo ou excesso de proteção dos pés. Além de melhorar a percepção do próprio corpo. E assim vivermos melhor.

1 0 431 01 janeiro, 2015 Crônica, Saúde janeiro 1, 2015

Sobre o autor

Dr. Stélio Leal Pessanha é médico com formação em Neurologia e Neurocirurgia e atua em consultório desde que se formou. É chefe de neurologia e neurocirurgia das cidades de Caieiras e Francisco Morato, pós-graduado em Neurologia, eletroencefalografia, eletroneuromiografia, Oto–neurologia, potencial evocado auditivo, visual e somatosensitivo. Desenvolveu e desenvolve atividades em: - clínica médica: Saúde Pública, Administração Hospitalar, Patologia Clínica, Medicina do Trabalho, Medicina do Tráfego, Didática do Ensino Superior - em comunicação: USP (Português, Inglês), Uninove (Jornalismo-Publicidade). Roteirista de rádio, teatro e TV É escritor: - “O Mestre Aprendiz de Medicina”, livro já editado que mostra a trajetória de um médico no dia a dia com pacientes no consultório, prontos-socorros e centros cirúrgicos (acesse https://www.youtube.com/watch?v=Gc0F4Z6DtUs para mais informações) - “O destino Cuspiu para o Alto”, em fase de execução, livro a respeito de membros de algumas famílias que tinham tudo para dar certo, mas trilharam o caminho do mal. Como cidadão, a rebeldia de um então jovem médico recém-formado o levou a fundar um jornal (Gazeta Regional de Caieiras e região), uma rádio (Onda FM 87.5), webTV (TV Nova Onda e está a caminho de abrir sua TV retransmissora, todos sob a égide da Associação de Mídia Comunitária, a AMIC). Todas as mídias objetivam defesa da democracia, do meio ambiente e dos direitos do que mais precisam.

Ver todos os artigos de Stelio Leal Pessanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>