Ruta Meilutyte: qual é o limite?

Por Daniel Takata

Como destaque da primera etapa da Copa do Mundo de Moscou em piscina de 25 metros, poderíamos falar da húngara Katinka Hosszu, que nadou seis das oito provas e levou medalha em todas. Ou poderíamos citar a sueca Sarah Sjostrom, com outra performance avassaladora: três vitórias. Ou ainda o sul-africano Chad Le Clos, com o terceiro melhor tempo da história nos 200m borboleta (os outros dois pertencem a ele e ao brasileiro Kaio Márcio de Almeida). Ou também o recorde mundial no revezamento 4x50m medley misto pela equipe da Rússia, um recorde esperado, pois foi a primeira vez que a competição foi disputada em uma grande competição internacional após a Federação Internacional de Natação – Fina começar a reconhecer os recordes para a prova. Ou as performances brasileiras, que resultaram numa medalha de bronze nos 400m livre com Lucas Kanieski. Para mais detalhes do dia em Moscou, acesse o blog da Swim Brasil e a Best Swimming.

Mas não podemos deixar de dar um destaque especial a mais um recorde mundial da lituana Ruta Meilutyte. No Mundial de Barcelona, ela havia superado a marca mundial nos 100m peito que pertencia a Rebecca Soni. Agora, em piscina curta, na mesma prova, melhora o recorde que também pertencia à americana. Com 1min02s36, abaixa em incríveis 34 centésimos de um recorde da era dos trajes tecnológicos (2009). Para se ter uma ideia, nunca jamais uma nadadora havia abaixado de 1min03s em trajes têxteis.

Sua parcial de volta de 32s80 nos últimos 50 metros foi um pouco mais lenta que a de Soni, mas a ida (29s56) foi mais de meio segundo mais rápida, explicada por sua velocidade natural e também por sua fantástica reação ao tiro de largada, em que ganha até dois décimos em relação a suas concorrentes.

(foto: Francois Xavier Marit/AFP/Getty Images)

Em relação a 2012, em que Ruta foi campeã olímpica e mundial de curta, ela melhorou cerca de um segundo nos 100m peito, tanto na longa quanto na curta. O que nos faz pensar: qual é o limite?

Ela tem somente 16 anos e é um fenômeno do nível Michael Phelps. Aos 16, Phelps foi campeão e recordista mundial dos 200m borboleta em 2001 com 1min54s58 e, em trajes têxteis, ele abaixou até 1min52s06 em 2007 (provavelmente teria nadado para 1min51s sem trajes, mas não é possível saber pois a partir de então obteve seus melhores tempos com trajes tecnológicos).

Se Ruta seguir os passos do americano, ainda pode abaixar bem seus tempos. Será tão impossível ela chegar perto da marca do minuto ou até quebrar a barreira nos próximos anos? É difícil, mas não podemos duvidar. É a única prova de 100 metros em que o recorde ainda está acima de 1min00s.

Em 2007, o site Raia Quatro News fez uma projeção e estimou que a barreira do minuto nos 100m peito feminino em piscina de 50 metros seria quebrada dali a cerca de 25 anos, ou seja, em torno do ano 2032. Em piscina curta, isso aconteceria em torno dos anos 2022-2025.

Ou seja, abaixar do minuto, mesmo que em piscina curta, parecia ser uma tarefa para longo prazo. Mas essas projeções não preveem o aparecimento de fenômenos como Ruta Meilutyte, que em pouco tempo pode mandar essa previsão para o espaço.

0 0 623 14 outubro, 2013 Esporte, Natação outubro 14, 2013

Sobre o autor

Dr. Stélio Leal Pessanha é médico com formação em Neurologia e Neurocirurgia e atua em consultório desde que se formou. É chefe de neurologia e neurocirurgia das cidades de Caieiras e Francisco Morato, pós-graduado em Neurologia, eletroencefalografia, eletroneuromiografia, Oto–neurologia, potencial evocado auditivo, visual e somatosensitivo. Desenvolveu e desenvolve atividades em: - clínica médica: Saúde Pública, Administração Hospitalar, Patologia Clínica, Medicina do Trabalho, Medicina do Tráfego, Didática do Ensino Superior - em comunicação: USP (Português, Inglês), Uninove (Jornalismo-Publicidade). Roteirista de rádio, teatro e TV É escritor: - “O Mestre Aprendiz de Medicina”, livro já editado que mostra a trajetória de um médico no dia a dia com pacientes no consultório, prontos-socorros e centros cirúrgicos (acesse https://www.youtube.com/watch?v=Gc0F4Z6DtUs para mais informações) - “O destino Cuspiu para o Alto”, em fase de execução, livro a respeito de membros de algumas famílias que tinham tudo para dar certo, mas trilharam o caminho do mal. Como cidadão, a rebeldia de um então jovem médico recém-formado o levou a fundar um jornal (Gazeta Regional de Caieiras e região), uma rádio (Onda FM 87.5), webTV (TV Nova Onda e está a caminho de abrir sua TV retransmissora, todos sob a égide da Associação de Mídia Comunitária, a AMIC). Todas as mídias objetivam defesa da democracia, do meio ambiente e dos direitos do que mais precisam.

Ver todos os artigos de Stelio Leal Pessanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>